sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Autárquicas: debates e entrevistas


Fica aqui o debate entre os candidatos à presidência da Câmara Municipal de Vila Real, que, há dois dias, passou, em directo, na Antena1, a partir dos estúdios da RDP, na capital transmontana. Isto, numa semana em que o candidato do CDS/PP, Jorge Pinho, deu, à universidadefm, uma entrevista que se constituiu como aquela que foi, a meu ver, a mais articulada e bem sistematizada das diferentes intervenções públicas, sobre o concelho, que os vários candidatos têm produzido, durante este período pré-eleitoral. Finalmente, um candidato a) apresentou uma visão de conjunto sobre a cidade (que significa, bem entendido, integrá-la em um eixo/escala que a supera/onde se integra e tal ficou bem perspectivado); b) demonstrou um conhecimento pormenorizado dos dossiers (Bairro Norad, Calvário, Piscinas Municipais, Zona Industrial, Corridas Automobilísticas, contratualização associativa/cultural, etc.); c) foi muito certeiro - e o que disse corresponde exactamente à verdade, no que concerne ao descrito sobre o eventual parceiro, em sede de Assembleia Municipal, no que a posicionamentos deste diz respeito - na explicação da recusa de uma coligação (pelo não à AD, a nível local); d) liderança demonstrada, na inteligente partilha de louros - das pequenas vitórias na Assembleia Municipal - com outros membros da sua equipa que preparam os dossiers sectoriais.
Se, a nível nacional, ao longo dos anos, o CDS/PP já foi tudo e o seu contrário, encontrando, sempre, nichos a quem se dirigia a cada campanha eleitoral - e nichos, aliás, sempre diversos uns dos outros, a cada novo acto eleitoral - e se, nada menos, participa de um governo que tem protagonizado/produzido um conjunto de medidas nefastas (nomeadamente, para os sectores mais desprotegidos da população) e com um posicionamento ideológico bastante extremado, justo é reconhecer, em Vila Real, o trabalho sério, de formiga, muito empenhado, com estudo, que Jorge Pinho tem conseguido mobilizar e liderar, sendo que, para quem acompanha as Assembleias Municipais, o escrutínio produzido - o poder deve ser serviço, mas nem sempre isso é interiorizado pelo dito poder, sendo necessária uma contundência democrática que vá além do salamaleque de quem se encontra diariamente nos mesmos locais, em cidade pequena; neste sentido, houve aqui um furar de uma espécie de bloqueio, a que atribuo particular importância - e as propostas apresentadas pelo seu (pequeno) grupo parlamentar têm contribuído, inequivocamente, não apenas para uma melhor oposição e, com ela, melhor democracia (local), mas, bem mais, fornecido soluções para que Vila Real possa ser um concelho que venha a garantir maiores/melhores oportunidades - e qualidade de vida - aos seus habitantes.
Se, não raramente, se tende a olhar, em exclusivo, para os aspectos negativos e/ou pitorescos nas campanhas eleitorais - mormente, em eleições locais, onde, efectivamente, não faltam motivos para identificar um certo folclore -, deve, por uma questão de justiça, relevar-se quem se dedica, dentro das competências adstritas a uma autarquia - a uma Assembleia Municipal -, com inteligência e trabalho (concreto), a beneficiar os demais cidadãos.
Neste período pré-eleitoral, já, neste blog, se destacou o contributo, ao longo de anos e de diferentes mandatos de José João Bianchi como deputado municipal e, sem preocupação de ecletismo, mas, igualmente, sem entrincheiramento sectário, agora se sublinha, nas suas diferenças e por motivos diversos, é certo, o aporte credível que constituiu a consistente intervenção de Jorge Pinho no último mandato - aquele em que foi eleito - e sua participação na actual (pré) campanha eleitoral.


Sem comentários:

Enviar um comentário