segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Os meus dias (V)


A dificuldade não consiste tanto em dizer, com uma paleta multiforme de manifestações, o que a amizade é, pode ser, foi, sugere ou promete. O problema é remeter para a prática quotidiana, sem a cisão theoria/praxis, sem a qual o trabalho semanal não resiste. Entre a chamada à razão, o não forçar o que só o tempo recompõe (o apelo à sinceridade) e a manutenção da ordem axiológica devida, eis o professor posto à prova.
Lembrei-me do Antunes e do Tomé, aos 10 anos, a chorarem abraçados porque haviam acabado discutir e se zangar o que, manifestamente, contrariava a evidentíssima norma inscrita na natureza. Aprendi pelo exemplo, pois, que é como se deve educar, segundo me garantem e eu concordo. O relativismo virá, apenas, mais tarde.
Entretanto, o João, com uma sensibilidade deslumbrante, inventa um conto que, com uma philiao amor da amizade – desarmante, oferece à turma e às colegas desavindas.
Quando sou fraco, então é que sou forte – terminei, com S.Paulo, prometendo-lhes que da debilidade da amizade ali assumida, ficariam mais fortes e unidas, dali a dias. E nunca se deve faltar a uma promessa.


1 comentário:

  1. A essência do cristianismo pode reduzir-se a um só ensinamento: Em sociedade, ser altruísta é a forma mais inteligente se ser egoísta.

    ResponderEliminar