terça-feira, 29 de julho de 2014

Eu, robot




Quem educou a minha geração ainda pensou muito em termos de emprego para uma vida – modelo que viveu. Na última década, o mantra foi “o emprego para toda a vida morreu”. Havendo quem pense que não estamos perante um facto e que a asserção é (puramente) ideológica, e que, portanto, tratá-la como um facto é já tê-la assimilado, mesmo que involuntariamente, todavia, enquanto as regras do jogo político, normas de economia política, conformação das leis a uma escala internacional for a que é, a mudança, reiterada, de emprego tende a surgir ‘habitualmente’.
O tema da substituição de muitos empregos pela robótica, um outro paradigma que pode começar a impor-se. No 60 minutos (CBS) desta semana, dois professores do MIT mostravam como o crescimento económico, nos EUA, está a ser maior do que nos níveis anteriores à recessão, mas não se tem traduzido em aumento da empregabilidade (significativo). Tal sucede, segundo os dois académicos, em boa medida, devido ao avanço da robótica (e à diminuição dos custos salariais com ele obtido, nas empresas). O programa ilustra, com reportagem em algumas fábricas, esta realidade. Os professores asseguram que em duas ou três gerações esta situação adquirirá contornos massivos. A tecnologia sempre destruiu e criou emprego, mas, desta vez, a primeira das tendências parece imperar. “E o que farão os humanos, nessa altura?”, questiona o pivot do programa, na pergunta do milhão de dólares.
Reconfiguração das relações pessoais, de sentidos na existência, mas também debate político (já hoje presente nas discussões e propostas relativamente à fiscalidade relacionada com o emprego). Retomando o início do post, desafio, ainda, a uma educação que consiga preparar para esse tempo (o debate competências/conhecimentos não deixa de subjazer). Entre outras fontes/ferramentas, a ficção científica, nomeadamente a cinematográfica, pode dar asas à imaginação, no lobrigar de mundos outros (o programa que passa na sic notícias sugeriu 2001 Odisseia no Espaço).


Sem comentários:

Enviar um comentário