quinta-feira, 17 de julho de 2014

Frugalidade


José TOLENTINO MENDONÇA, O Elogio da Frugalidade, Expresso. Revista, 28. 06. 2014, 6.

O que é então a frugalidade? É a escolha do pouco, de viver com pouco, procurando encontrar aí o máximo sentido. A abundância é um estado fusional, indiferenciado, sem diques, onde tudo se mistura: o ajustado e o supérfluo; o eleito e o repetido; o original e o banal

TALVEZ SEJA IMPORTANTE começar por declarar o que a frugalidade não é. E a primeira das distinções necessárias é esta: a frugalidade não se confunde com a pobreza. Sobre a pobreza podemos elaborar uma série de explicações (sociais, financeiras, pessoais), mas uma evidência acaba sempre por emergir: ela não corresponde a uma escolha livre, ao contrário da frugalidade. Outra comparação a evitar é entre frugalidade e avareza. Se somos empurrados para a pobreza por fatores externos, à avareza chegamos condicionados por feridas e obsessões internas. E a avareza, como se sabe, é uma espécie de contrapaixão, solitária, triste e final como podem ser as derrapagens íntimas que sofremos. A frugalidade não é sequer uma decisão ou uma prática de poupança. As razões para poupar estão dramaticamente colocadas na ordem do dia. O futuro deixou de estar garantido e tem de ser o presente a precavê-lo. A poupança é reforçada, por isso, em nome de uma finalidade que está além dela. Os gastos são contidos, o frenesim aquisitivo é travado não por vontade própria, mas para enfrentar melhor a incerteza dos tempos. Ora, da frugalidade podemos chegar a concluir que ela produz também poupança. Esse, porém, é um seu efeito colateral.
 O que é então a frugalidade? É a escolha do pouco, de viver com pouco, procurando encontrar aí o máximo sentido.
A abundância é um estado fusional, indiferenciado, sem diques, onde tudo se mistura: o ajustado e o supérfluo; o eleito e o repetido; o original e o banal; a possibilidade de consumo e a promessa de felicidade. A frugalidade desprende-se, distancia-se, ganha consciência crítica, interroga, e não abdica jamais da sua liberdade. A frugalidade é um estilo. Há uma frase de Henry David Thoreau que a ilumina especialmente: “A riqueza de um homem é proporcional não ao número de bens que ele pode possuir, mas ao número de coisas a que ele pode renunciar.”
Há também um dito delicioso de Jesus, no Evangelho de Lucas, que primeiro parece um enigma, e depois percebemos que é um mapa. Jesus diz a Marta, a sua anfitriã atarefada: “Marta, Marta, andas ocupada com muitas coisas. Uma única, contudo, é a coisa necessária.” O dito é um enigma, porque Jesus sabiamente não revela que coisa necessária é essa. E torna-se um mapa, quando compreendemos que só na aplicação do enigma à experiência, e ao risco da experiência, ele se esclarece.
Podemos estar a viajar vida fora com uma mala pequena ou uma mala grande. Ao contrário do que pensamos, não conta o tamanho das malas. Se elas estão cheias, porque são realmente pequenas ou porque nós a tornamos assim, teremos de retirar alguma coisa se quisermos colocar outra nova no seu lugar. E acontece passarmos a vida nisso: acumular, esvaziar, acumular. A frugalidade não depende do tamanho da mala. O viajante frugal é aquele que tomou a decisão prévia de não encher totalmente a sua bagagem, conservando nela um espaço vazio.
Num livro oportuno, o italiano Luigi Zoja aponta-nos a necessidade de regressarmos às utopias minimalistas. A utopia no século XX era maximalista e pretendia um homem novo sem ter em conta a sua realidade, partindo de modelos completamente abstratos. O que Zoja contrapõe é o favorecimento da novidade interior, despertando cada um para um percurso de sabedoria. E escreve: “Naturalmente, a sinceridade, a serenidade, a superação da angústia, a ternura, o amor por si e pelos outros, o fazer bem as coisas do quotidiano não acrescentam nada ao PIB de uma nação. E precisamente a precedência exclusiva dada ao PIB é uma das causas que provocou este amalgamar de todos os programas políticos, tornando-os sempre menos reconhecíveis e mais estranhos às nossas necessidades elementares.”



Sem comentários:

Enviar um comentário