sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Competitividade e investimento





Poderá a competitividade de um país aumentar, quando o investimento nele diminui e é muito escasso ou inexistente (desde logo, o investimento público)? A questão colocou-se esta semana, no nosso país, a propósito do aumento de competitividade português nos ranking's comparativos internacionais. Sigamos, por analogia, o raciocínio de James K. Galbraith, Stuart Holland e Yanis Varoufakis expandido na sua Proposta modesta para resolver a crise da zona euro: "a Europa conhece níveis de investimento anémicos (o que coloca em perigo a sua competitividade internacional a longo prazo) e, de forma talvez mais determinante, uma crise das balanças de pagamentos no seio da zona euro" (in A dívida pública portuguesa. O manifesto dos 74 e as propostas europeias para a reestruturação, p.101).
Se as eleições são para amanhã, e o curto-prazo determina o mais próximo soundbite de auto-louvor, convém saber para onde vai, por este caminho, a nossa "competitividade internacional a longo prazo".


Sem comentários:

Enviar um comentário