quarta-feira, 12 de abril de 2017

Peregrinações



O verdadeiro sacrifício como a transformação espiritual no quotidiano, ainda que as dores presentes nas bolhas possam assumir e relativizar as dores e amolgadelas com que vivemos (por muito que o queiramos negar, ou omitir). Pôr-se a caminho de muitos modos, pelas coisas comezinhas, e pelas grandes, pagadores de promessas, desde a Idade Média, na estrada, comunhão e partilha - como um acto de fé, na estrada partilhada, no mesmo desejo e esperança, e o andar seja já esse voto, esse abandono, essa confiança. Muitos caminhos há para uma descoberta, e há quem a faça peregrinando, um caminhar que traz em si mesmo uma pergunta, que a aceitação inquestionada da teoria da secularização recusaria.

Sem comentários:

Enviar um comentário