sábado, 6 de maio de 2017

Sem jacobinismos


A tolerância de ponto concedida para a próxima sexta-feira convocou, de novo, a terreiro os sentinelas mais apaixonados, que não perdem uma oportunidade de se fazerem notar, a par de uns tacticistas mais dados ao (momentâneo) oportunismo (na disputa partidária).
Ainda que partindo de uma pré-compreensão do mundo diferente da minha, como é óbvio (ele descrente), este texto de José Pacheco Pereira, no essencial, e ainda que tivesse algumas discordâncias pontuais, é equilibrado e mostra como não é preciso ser-se crente para reconhecer o papel (actual) da Igreja. Num tempo em que muitas vezes é "trés chic" dizer mal desta, por tudo e por nada, há quem, não sendo católico, não alinhe em atitudes jacobinas (obsoletas) e reconheça o contributo indispensável ao mundo, por parte da Igreja Católica. Quando tantos vão em modas, a rebeldia não consiste em atirar-se à mundividência que defende o humano como nenhuma outra, mas, exatamente, o inverso.

Sem comentários:

Enviar um comentário