terça-feira, 16 de maio de 2017

Umbilical


Maldade

Por que motivo há lágrimas nos teus olhos, meu filho?
Que maus que são aqueles que te ralham por tudo e por nada!
Enquanto estavas escrevendo, manchaste os dedos e a cara com tinta - será por isso que eles te chamam sujo?
Por Deus! Atrever-se-ão eles a chamar trapalhona à lua cheia por ela ter coberto a sua face com tinta negra?

Pela mais pequena coisa te censuram! Eles estão sempre
prontos a encontrar faltas naquilo que fazes.
Enquanto brincavas, rasgaste a tua roupinha - será por isso que eles te chamam descuidado?
Por Deus! Que dirão eles da manhã de Outono que sorri por detrás de nuvens esfarrapadas?

Mas, meu pequenino, não faças caso do que eles estão
sempre a lançar-te à cara!
Que bem contadas que eles têm as tuas faltas!
Toda a gente sabe como tu gostas de coisas doces -
será por isso que eles te chamam guloso?
Por Deus! O que não dirão eles de nós que gostamos
tanto de ti!

Rabindranath Tagore, A voz da mãe dava sentido às estrelas, Assírio e Alvim, 2017, p.29

Sem comentários:

Enviar um comentário