domingo, 11 de junho de 2017

Ponto


Partir sem chegar

Precisarás de tempo para alcançar a margem
o ramo do tamarindo onde te espera
o assobio do barqueiro
não é o primeiro
deverás tactear a escuridão da folhagem
e enganares-te tantas vezes
que te convenças que não sabes

estreita é a corrente invisível que nos conduz
por corredores, registos, águas em queda
àquele momento talvez involuntário
onde palavra dita e palavra calada
se tocam

José Tolentino Mendonça, Teoria da Fronteira, Assírio e Alvim, 2017, p.15

Sem comentários:

Enviar um comentário