segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

A propósito de revisionismos históricos (e dos ignorantes que os aceitam)


Pouco mais de dois meses após o assassinato de[Vladimir] Herzog, a morte do operário Manoel Fiel Filho, nas dependências do Codi DOI paulista, produziu versão idêntica [pela polícia: a tese do suicídio]. Fiel Filho foi o 39º caso de suicídio de prisioneiro político da ditadura e o 19º a se enforcar - em dois desses casos, os presos teriam se enforcado sentados.

Ibidem, p.480.

P.S.: como se deixa de ler livros, e se segue, clubisticamente, uma dada linha ideológica, e é apenas a propaganda de facebooks amigos que se recebe, e mesmo à distância de um oceano se importa o fanatismo dos tresloucados, é preciso voltar aos factos e respeitar as vítimas de todos os regimes despóticos, sejam estes de direita, de esquerda, teocracias, o que for. Reescrever-se a história contemporânea brasileira, dizendo que nela não houve ditadura, e ter uns marmanjos ignorantes, por cá, a repetir é dessas faltas que não podem passar em claro.

Sem comentários:

Publicar um comentário